Tag Archives: BYOD

Byadmin_rs

Departamentos diferentes pedem políticas diferentes

Definições devem mudar conforme o perfil da área beneficiada pela política

A partir da decisão de implantar um projeto de Bring Your Own Device (Byod, ou traga seu próprio dispositivo, na tradução do inglês), várias outras devem ser tomadas, especificamente, no que diz respeito ao tipo de atividade e acesso que será liberado para cada departamento da empresa.

Para Anderson Figueiredo, especialista em gestão de TI e consultor, ao estabelecer as políticas de Byod, o CIO deve definir quais aplicações podem ser usadas, que dados podem ser acessados por determinado departamento e em quais momentos. “Em determinados horários, por exemplo, não é preciso liberar o acesso ao banco de dados. A empresa pode restringir, bloquear completamente ou perfilar o uso de suas aplicações”, explica Figueiredo.

O diretor de Segurança da Informação da PwC, Eduardo Batista, reitera que é importante que todas as políticas implementadas estejam alinhadas com as necessidades de negócio e controle do risco de acesso indevido às informações. ?“Na medida em que as empresas têm uma visão clara da estratégia, conhecimento de suas informações críticas e dos requisitos legais de proteção, a definição de políticas específicas será mais assertiva”, destaca. Por isso, o primeiro passo é fazer o desenho de uma estratégia corporativa de mobilidade integrada com a visão do negócio.

Para o consultor e CEO da Litteris Consulting, Cezar Taurion, permitir o Byod para um departamento e restringir para o outro é uma situação complicada. “Independentemente da opção, ao adotar uma política de Byod, o CIO deve educar todos os departamentos e funcionários envolvidos sobre essa prática. Para isso, é importante conscientizar as pessoas, estabelecer um contrato com as regras do jogo, renová-lo todo ano e esclarecer quais são os direitos e deveres do funcionário”, explica.

Os especialistas concordam em um ponto: as regras devem ser definidas em conjunto com o departamento jurídico e o de recursos humanos da empresa, para dar consistência e credibilidade. “Sempre coloque o jurídico e RH como parte do processo, pois a prática deve ser clara, definida e reconhecida pelo funcionário como algo produtivo para a empresa”, diz Taurion.

Byadmin_rs

Mobilidade Corporativa conecta negócios com inovação

Incentivadas pela computação em nuvem e aumento da oferta de smartphones no Brasil, mais empresas adotam a comunicação móvel para automatizar processos e conectar colaboradores, aumentando a produtividade e a velocidade na tomada de decisão.

Presente na vida da maior parte dos brasileiros, a comunicação móvel ganha cada vez mais espaço no mundo corporativo. Seja para automatizar processos ou conectar colaboradores, a adoção dessa tecnologia pelas organizações busca o aumento de produtividade e um ciclo de trabalho mais rápido e inovador.

“As empresas estão usando mais a mobilidade em seus negócios movidas pela computação em nuvem e pelo conceito de virtualização, que possibilitam aos funcionários acessar aplicações corporativas sem que precisem estar no escritório”, constata o professor de cursos de pós-graduação e graduação do Instituto Nacional de Telecomunicações (Inatel), Afonso Celso Soares. Segundo ele, as organizações conectadas alcançam clientes mais rapidamente e podem praticar a inovação de forma mais intensa, para serem mais competitivas.

A mobilidade corporativa está em franco crescimento no Brasil e transforma a paisagem interna das empresas. Muitos computadores pessoais estão sendo substituídos pelos dispositivos móveis, que acompanham os executivos em  reuniões, visitas de campo ou qualquer outro lugar. Eles podem ser conectados por diversas tecnologias, como redes 3G, 4G ou Wi-Fi, permitindo as vantagens da mobilidade à empresa e aos colaboradores.

embratel_inovacaomobile_original (Foto: iStock)
Smartphones já são quase 75% do mercado total de
celulares – e, nas empresas, garantem mais
produtividade e rapidez

Os dispositivos móveis estão entrando nas empresas também pelo conceito do Bring Your Own Device (BYOD), ou traga seu próprio aparelho para o ambiente de trabalho, integrando aplicações pessoais com as corporativas. Estudos do instituto de pesquisa IDC estimam que dos 52 milhões de smartphones previstos para serem vendidos no Brasil neste ano, pelo menos 5 milhões entrarão nas companhias pelas portas desse movimento, obrigando a revisão das políticas de segurança.

Motor da mobilidade no Brasil

Impulsionada pela expansão das redes de banda larga (3G e 4G), pela computação em nuvem e pela disseminação de tablets e smartphones, a mobilidade não para de crescer no mercado corporativo. “Nos últimos anos, os smartphones eram 20% a 30% dos dispositivos fornecidos para as empresas. Neste ano, eles já são mais de 60%”, afirma Jacinto Miotto, Diretor Executivo da Embratel e Claro Empresas – SP.

Hoje, mais de 70% das empresas com mais de cem empregados já utilizam celulares e smartphones corporativos. Destas, 41% contratam também plano de dados, segundo a pesquisa “Conectividade das Empresas do Brasil”, realizada pelo Teleco e pela Embratel com 400 companhias.

Outro termômetro do avanço da mobilidade no Brasil é o crescimento da base de usuários de celulares. Dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) revelam que o país tinha em outubro 279,3 milhões de linhas móveis em serviço.

Esse cenário tem estimulado mais empresas a usarem a mobilidade em seus processos de negócios. Ele é hoje ferramenta indispensável para automatizar equipes externas, fazer videoconferência com profissionais remotos, oferecer treinamento online para colaboradores e trazer mais velocidade nos negócios, com redução de custos.

A Embratel oferece um amplo portfólio de soluções de mobilidade corporativa, adequadas a empresas de diferentes tamanhos e segmentos. Entregues em conjunto com a Claro, as ofertas integram pacotes de voz e banda larga 3GMax, 4GMax com tablets e smartphones.

Os planos da Embratel contam também com serviços para administração das linhas móveis, permitindo diferentes configurações de uso, ferramentas colaborativas e aplicações para automatizar força de vendas.

Com foco em segurança e controle, a Embratel oferece soluções de M2M (Machine to Machine). Com elas, a empresa é alertada sobre a indisponibilidade de algum equipamento ou sistema, oferecendo um melhor controle de suas operações, 24 horas por dia.

“As empresas estarão demandando ainda mais serviços de TI e Telecom com recursos de mobilidade”, resume Jacinto Miotto, da Embratel. “Com isso, nossa participação será ainda maior.”

Fonte: G1

Byadmin_rs

BYOD, Internet das Coisas e biometria desafiam a TI

As vulnerabilidades desafiam os líderes de TI e começam a pressionar os gestores de negócios. Uma pesquisa, conduzida pela LightspeedGMI, a pedido da Fortinet, revela que 90% dos CIOs e CTOs acreditam que o trabalho de manter suas empresas seguras está se tornando cada vez mais difícil. O estudo contou com respostas de profissionais de TI do Brasil, Colômbia e México.

O levantamento mostra que a pressão da diretoria cresceu nos últimos 12 meses. Dentre os tomadores de decisão de TI que registraram sofrer maior pressão, 63% admitem abandonar ou adiar pelo menos uma nova iniciativa de negócios por causa de preocupações de segurança da Tecnologia.

A internet das coisas (IOT) e a biometria (97%), assim como a mobilidade dos empregados /BYOD e a crescente complexidade de ameaças (ambos 95%) representam o maior desafio para líderes. As respostas brasileiras são mais altas do que as médias percentuais globais, que são de 88% para ambas variáveis.

Segundo ainda a pesquisa, a maioria dos tomadores de decisão já sofreu algum tipo de ataque, aumentando a preocupação com a privacidade dos dados e com iniciativas de proteção de big data em 94% para ambos. Em grande parte dos casos, isso significou novos investimentos em segurança de TI. As vulnerabilidades têm sido a dor de cabeça desses gestores.

Fonte: Convergência Digital

Byadmin_rs

Brasil: só 8% das empresas assumem usar cloud

Apesar do crescente do uso de redes sociais e mensagens instantâneas (SMS, e-mail, WhtasApp etc.) no ambiente corporativo no Brasil, a maioria das empresas ainda prefere o telefone para estabelecer comunicação com clientes e fornecedores. Para 80% delas, as ligações telefônicas são consideradas o canal de comunicação prioritário. Entre essas corporações, 68% informaram que usam voz como principal meio de comunicação com clientes, enquanto 77% priorizam o canal via voz no relacionamento com fornecedores.

O levantamento, contratado pela Embratel e feito pelo portal Teleco com 400 empresas brasileiras em cinco capitais do país, mostra ainda que há muito por crescer em computação em nuvem. Os serviços de cloud estão presentes em apenas 8% das empresas. O uso deles é direcionado, principalmente, para aplicações de segurança, armazenamento e backup. Questionados para o uso da nuvem mais efetivo, a maioria das empresas não considera o e-mail como um serviço em Cloud, o que elevaria esse percentual. Porém, a análise geral dos serviços na Nuvem demonstra tendência de aumento nos próximos anos.

Com relação à comunicação, 13% das empresas afirmam integrar diferentes canais como voz fixa, voz móvel, mensagens, conferência na web e videoconferência. A preferência do ambiente corporativo é comprovada com o aumento da base de clientes de telefonia, fixa e móvel, e uma crescente pluralidade de planos.

Na categoria ferramenta de colaboração, o e-mail surge como primeira opção em 84% das corporações. Mas o SMS ainda tem seu espaço. Mesmo pressionado pelos serviços de OTTs (provedores Over The Top, que usam a rede internet) como WhatsApp, o SMS surge como segundo colocado nas empresas, é o mais utilizado em 45% delas.

A mobilidade também é uma tendência. Há um aumento do uso de dispositivos móveis –como tabletes e celulares–, forçando as empresas a aderir ao movimento BYOD (Bring Your Own Device). Em 58% das empresas, os funcionários podem levar para o ambiente de trabalho seus equipamentos pessoais.

Os dados fazem parte da pesquisa “A Conectividade das Empresas Brasileiras”, que analisou estruturas de TI e Telecom de 400 empresas, de diferentes portes, em cinco capitais brasileiras. O estudo, que analisou o nível de conectividade e o uso de tecnologia pelas empresas brasileiras, foi desenvolvido pela Embratel em parceria com a Teleco. Marcello Miguel, diretor executivo da Embratel, diz que a pesquisa avaliou a adoção de dispositivos de transmissão de Dados, Internet, Voz e Mobilidade pelas companhias brasileiras, bem como suas estruturas de TI e de Telecom.

No quesito infraestrutura houve um aumento da modernização. A conexão fixa está presente em 94% das empresas, e 85% dos pesquisados possuem conexão Banda Larga. A velocidade média contratada por essas empresas tende a crescer com a ampliação das ofertas e redução dos custos.

Serviços de segurança estão presentes em 45% das empresas pesquisadas, e a maioria manifestou interesse em conhecer novos serviços de proteção. Na área de Data Center, 64% das empresas consultadas ainda utilizam servidores internos. Pequenas e médias empresas não possuem políticas de proteção de dados, e 23% dos entrevistados armazenam informações nos computadores dos próprios funcionários.

“Apesquisa foi realizada com profissionais responsáveis pelas áreas de TI e Telecom (TIC) de empresas de diversos portes, localizadas nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Brasília e Recife. A escolha dessas localidades foi feita com base em uma metodologia especial para refletir, com margem mínima de erro, a opinião nacional das empresas sobre o uso de sistemas”, diz Eduardo Tude, presidente da Teleco.

O levantamento analisou as seguintes categorias: Canal de comunicação mais utilizado; Comunicação por Voz; Comunicação por Mensagens; Dispositivos para conexão de dados; Infraestrutura para conexão de dados; Cloud e Armazenamento de Informações, e Redes Sociais e Internet.

Fonte: Convergência Digital

Byadmin_rs

3 mitos sobre o futuro da TI

Líderes de TI precisam superar os mitos que podem prejudicar a reputação da área

Profissionais de tecnologia da informação já sabem que TI é fonte de inovação e vantagem competitiva. A área de negócios também precisam ver TI sob essa óptica, mas, atualmente, existem muitos mitos distorcendo a percepção pública da TI. Veja abaixo três mitos que vão convencer o mundo de negócios de que a TI é realmente indispensável.

1. BYOD é uma bagunça criada pelos funcionários 
Falso! O movimento bring your own device (BYOD) foi criado pela TI. Como? Quando os departamentos de TI não conseguiram atender às demandas dos colaboradores em relação à adoção de dispositivos e serviços móveis, eles começaram a procurar por fornecedores externos. 

Na verdade, esse desafio se arrasta por pelo menos dez anos, quando as pessoas começaram a levar o BlackBerry para o escritório. Funcionários tentaram burlar os departamentos de TI, porque esse caminho parecia mais rápido do que esperar pela área para fornecer serviços de telefonia móvel. O trabalho da TI é se posicionar à frente das tendências tecnológicas e abordar o seu impacto sobre os processos no quesito segurança de dados.

2. Catálogos de serviços demonstram um bom serviço 
Não. Catálogos de serviços não garantem um bom serviço, nem compensam anos de serviço de má qualidade. Quando os departamentos de TI criam catálogos de serviços, algumas vezes esquecem que o “lançamento” do catálogo requer divulgação. Os usuários finais muitas vezes não têm ideia do que está no catálogo, e eles não querem perder tempo lendo o documento. Alguns departamentos recebem e-mails solicitando redefinições de senha quando os usuários podem simplesmente acionar o catálogo e alterá-la. 

A TI é responsável pela comercialização e venda dos seus serviços. Como as empresas de tecnologia têm descoberto, você não pode liberar recursos e esperar a adoção. É preciso notificar a todos sobre as capacidades e os valores para os negócios.

3. Boas métricas de serviços = bom serviço
É um mito que a resolução do problema no primeiro contato e volumes elevados de incidência são sinais de um serviço excepcional. Eles podem dizer o contrário. Resolução no primeiro contato não significa necessariamente que o cliente estava satisfeito com o serviço ou que a solução foi eficaz.
 
Mas porque essa métrica são, muitas vezes, colocadas em um pedestal, os departamentos de TI se sentem pressionados a resolver uma reclamação enquanto o cliente está ao telefone ou enviando uma mensagem instantânea. 
 
Da mesma forma, um número elevado ou baixo de incidentes podem indicar problemas. E se os mesmos problemas se repetirem? Pare de criar mitos sobre o sucesso e o fracasso de métricas individuais. Olhe para conjuntos de métricas para formar narrativas sobre seu serviço. 
 
Futuro da TI
Vivemos a era da simplificação. As pessoas querem automatizar, simplificar ou eliminar processos tediosos. Elas querem mais tempo para focar em atividades estratégicas.
 
TI não é uma peça independente em qualquer organização. É parte dos negócios. TI fornece um serviço, o que significa que deve pesquisar, vender e comunicar o serviço internamente. É preciso superar os mitos e melhorar a percepção de fora para continuar a desempenhar um papel vital nas empresas.
Fonte: IT Fórum
Byadmin_rs

Baixo desempenho de apps afeta produtividade

A SolarWinds anunciou os resultados de uma pesquisa que enfatiza o impacto do desempenho e da disponibilidade de aplicativos para usuários finais corporativos no Brasil. Uma das principais descobertas é o fato de que, embora o aplicativo seja agora o centro de empresas de todos os tamanhos e seu desempenho seja o segredo do sucesso, a TI ainda luta para garantir desempenho e disponibilidade.

Na verdade, 99% dos usuários finais corporativos que responderam à pesquisa disseram que o desempenho e a disponibilidade dos aplicativos afetam sua capacidade de fazer o trabalho, com 70% dizendo que esses aspectos são absolutamente essenciais e 83% afirmando que a questão se tornou mais importante nos últimos cinco anos.

Quatro em cada cinco empresas tiveram um problema crítico de desempenho de aplicativo e quase um terço relatou que suas empresas sofreram perdas financeiras significativas por causa de aplicativos lentos. Além disso, 81% dos usuários finais corporativos já tiveram um problema de desempenho ou de disponibilidade de aplicativo crítico para os negócios, e 52% disseram que aplicativos lentos ou indisponíveis trazem perda financeira significativa para suas empresas anualmente.

A proliferação das tecnologias BYOD, de nuvem, de SaaS e de consumo no local de trabalho transformou os aplicativos na tecnologia disruptiva que impulsionará a TI corporativa nas próximas décadas. Ao mesmo tempo, o suporte da cadeia de entrega de aplicativos fica mais complexo à medida que aplicativos se tornam mais conectados à rede, que a virtualização leva à convergência e abstração da infraestrutura de TI e que os usuários finais se tornam mais móveis.

Realizada em junho de 2014, a pesquisa entrevistou 207 usuários finais de aplicativos empresariais no Brasil, atualmente empregados em tempo integral e trabalhando em escritórios de empresas de pequeno, médio e grande porte, dos setores público e privado.

Fonte: Decision Report